Biografia de A. W. Tozer

A. W. Tozer

(Um profeta do século 20)

“Penso que minha filosofia seja esta: tudo está errado até que Deus endireite.” Esta afirmação do Dr. A. W.  Tozer  resume  perfeitamente a sua crença e o que ele tentou realizar durante seus anos de ministério. Sua pregação e seus livros concentraram-se inteiramente em Deus. Ele não tinha tempo para mercenários religiosos que inventavam novas formas para promover suas mercadorias e subir nas estatísticas. Tozer marchou ao ritmo de uma batida diferente e, por esta razão, normalmente não acompanhava os passos de muitas das pessoas que participavam de desfiles religiosos. No entanto, foi esta excentricidade cristã que nos fez amá-lo e apreciá-lo. Ele não tinha receio em apontar o que era errado. Nem hesitou em dizer como Deus poderia endireitar todas as coisas. Se é que um sermão pode ser comparado à luz, então, A. W. Tozer emitia raios laser do púlpito, um feixe de luz que penetrava o nosso coração, exauria nossa consciência, expunha nossos pecados e nos fazia clamar: “O que devo fazer para ser salvo?” A resposta era sempre a mesma: entregar-se a Cristo; procurar conhecê-lo de forma pessoal; crescer para tornar-se como Ele. Aiden Wilson Tozer nasceu em Newburg (naquele tempo conhecida como La Jose), Pensilvânia, Estados Unidos, em 21 de abril de 1897. Em 1912, sua família deixou a fazenda e foi para Akron, Ohio e em 1915, ele se converteu a Cristo. No mesmo instante passou a levar uma vida fervorosa de devoção e testemunho pessoal. Em 1919, começou a pastorear a Alliance Church, em Nutter Fort, West Virginia. Também pastoreou igrejas em Morgantown, West Virginia; Toledo; Ohio; Indianapolis; Indiana; e, em 1928, foi para a Southside Alliance Church, em Chicago. Ali, ministrou até novembro de 1959, quando tornou-se pastor da Avenue Road Church, em Toronto, no Canadá. Um ataque cardíaco, em 12 de maio de 1963, pôs fim àquele ministério, e Tozer foi chamado para a Glória. Tozer alcançou um número maior de pessoas por intermédio de suas obras do que por suas pregações. Grande parte do que escreveu era refletido na pregação de pastores que alimentavam a alma com as palavras de Tozer. Em maio de 1950, foi nomeado editor de The Alliance Weekly, agora conhecida como The Alliance Witness, que provavelmente foi a única revista religiosa a ser adquirida graças, sobretudo, aos  seus  editoriais.  Certa vez, o Dr. Tozer, em uma conferência na Evangelical Press Association (Associação  da Imprensa Evangélica), censurou alguns editores que praticavam o que  ele  chamava  de  “jornalismo de supermercado” – duas colunas de propagandas e uma nota de material para leitura. Era um escritor exigente e tão duro consigo mesmo quanto com os outros. O  que  há  nas  obras de A. W. Tozer que nos prende a atenção e nos cativa? Primeiro, ele Tozer escrevia  com  convicção.  Não  estava  interessado  nos  cristãos superficiais de Atenas que estavam à procura de algo novo. Tozer  mergulhou  novamente nas antigas fontes e nos chamou de volta  às  veredas  do  passado,  tendo  plena  convicção  e  colocando em prática as verdades que ensinava. Tozer era um místico cristão em uma época pragmática e materialista. Ele ainda nos convida a  ver  aquele  verdadeiro  mundo  das  coisas  espirituais  que  transcendem  o mundo material que tanto  nos  atraem.  Suplica  para  que  agrademos  a  Deus  enos esqueçamos da multidão. Ele nos implora  que  adoremos  a  Deus  de  modo  que  nos  tornemos  mais parecidos com Ele. Como esta mensagem é desesperadamente necessária em nossos dias! A. W. Tozer recebeu a dádiva de compreender  uma verdade espiritual e erguê-la para a luz para  que,  como  um  diamante,  cada  faceta  fosse observada e admirada. Ele não se perdeu nos pântanos  da  homilética;  o  vento  do  Espírito  soprava e ossos mortos reviviam. Suas obras eram como graciosos camafeus cujo valor não se avalia por seu tamanho. Sua pregação se caracterizava pela  intensidade  espiritual  que penetrava no coração do ouvinte e o ajudava a ver Deus. Feliz é o cristão  que  possui  um  livro  de  Tozer à mão quando sua alma está sedenta e ele sente que Deus está longe. Tozer, em suas obras, nos entusiasma tanto sobre a verdade que nos esquecemos de Tozer e  tratamos  de  pegar  a  Bíblia.  Ele mesmo sempre dizia que o melhor livro é aquele que faz o leitor parar  e  pensar  por  si  mesmo.  Tozer  é  como um prisma que concentra a luz e depois revela sua beleza.
<< Voltar >>