Os Métodos de Controle usados pelas Seitas

As pesquisas demostram que agora as seitas usam métodos de controle bem mais eficazes daqueles usados 50 anos atrás. As descobertas que os psicólogos fizeram nos anos 60 – 70 produziram modernos métodos de controle mental que são bem mais refinados que as TÉCNICAS DE MODIFICAÇÃO DO COMPORTAMENTO e REFORMA DO PENSAMENTO desenvolvidas pelos chineses. Para compreender o controle mental é preciso compreender os fundamentos das TÉCNICAS DE MODIFICAÇÃO DO COMPORTAMENTO.

O que significa "modificação do comportamento"?

Em poucas palavras, trata-se de estabelecer uma correspondência entre "recompensas ou castigos pelas ações feitas". Todos nós já recebemos isso quando éramos crianças.

Tirar um privilégio é normalmente uma maneira segura para persuadir uma criança a modificar seu comportamento, isso quando a criança é suficientemente crescida para entender o processo. Elogiar uma criança por ter tido um bom comportamento é uma outra maneira de modificar o comportamento, sobretudo quando a criança é ansiosa. A chibata do mestre de escola era um outro método para conseguir a modificação do comportamento.

Estes tipos de técnicas de modificação do comportamento são usadas de uma maneira gentil, com carinho e com vantagem para criança que modifica seu comportamento sem causar rancor. Todavia, se estas técnicas são usadas com maldade será um prejuízo para psique da criança e as suas emoções. Um exemplo é a síndrome da "criança maltratada".

As seitas usam um modelo de modificação do comportamento refinada e pervertida que estraga a emotividade da pessoa.


Dissonância Cognitiva

Leon Festinger é um psicólogo que estudou grupos que profetizavam o fim do mundo. Ele descobriu que a devoção dos membros à seita tornava-se maior depois que a profecia não se realizava. As suas pesquisas revelaram que os membros achavam uma maneira para encarar o fracasso.

Eles precisavam manter ordem e significado na vida. Precisavam pensar que estavam portando-se bem conforme a imagem auto-criada e seus valores. Festinger descreveu esta contradição que os membros deviam enfrentar aquela que se tornou celebre como a "Teoria da Dissonância Cognitiva", que se compõe de três elementos:

“Controle do comportamento” – “Controle do pensamento” – “Controle das emoções”.

Cada uma tem um efeito enérgico sobre as outras: é SUFICIENTE MUDAR UMA E AS OUTRAS PROPENDERÃO A SEGUÍ-LA. Quando as três forem modificadas a pessoa é completamente diferente. Festinger sintetizou o principio básico:

"Mudando o comportamento de uma pessoa, seus pensamentos e sentimentos também mudarão para tornar menor a dissonância".

Quando há um conflito entre pensamento, sentimentos o comportamento, aqueles em luta se modificarão para aliviar a contradição. Isso acontece porque uma pessoa pode tolerar apenas uma certa quantidade de discordâncias entre estes componentes que produzem a identidade. Nas seitas esta dissonância vem criada intencionalmente para controlar e explorar.

Steven Hassan, autor do 'Combatting Cult Mind Control', acrescentou naquelas de Festinger um quarto componente: "O controle da Informação".
Controlando a informação que uma pessoa recebe, pode-se controlar e restringir a sua capacidade de pensar autonomamente. É possível pôr um limite à capacidade de uma pessoa de pensar sozinha.


1)   Controle do Comportamento

     O controle da realidade física da pessoa.

Pode incluir o controle do ambiente do dia-a-dia, a comida, a roupa, o sono, o trabalho, etc. Este é o motivo que leva muitas seitas a constranger os adeptos em horários e programas muito rígidos. Nas seitas destruidoras há sempre algo para fazer. Cada seita tem sua série de comportamentos distintivos que a os fiéis devem cumprir.

Este controle é tão forte que os membros da seita tornam-se de fato parte ativa nos seus próprios castigos e chegarão a acreditar que os castigos são merecidos! Ninguém pode mandar no pensamento de um indivíduo, mas PODENDO CONTROLAR O COMPORTAMENTO, O CORAÇÃO E A MENTE ACOMPANHARÃO O COMPORTAMENTO.


2)   Controle do Pensamento

     O controle do processo do pensamento individual

A doutrinação dos membros é tão acurada que eles mesmos irão manejar seus processos mentais. A ideologia vem assimilada como "A Verdade". As informações de entrada são filtradas através dos mesmos preceitos da seita, que regula também o que se deve pensar da informação.

A seita tem sua própria linguagem que regula ainda mais o pensamento dos fiéis. Isto cria uma grande barreira entre os membros da seita e os demais.

Uma outra possibilidade de controle são as técnicas de "bloqueio do pensamento". São muitas: salmodiar, cantar, segredar, as linguagens carregadas (alguns devem pagar para conhecê-las), rezar em concentração, etc. O uso destas técnicas provoca um curto-circuito na capacidade da pessoa de perceber a realidade. O adepto pode ter somente pensamentos positivos em relação ao grupo. Se aparece um problema, o membro se acha o responsável e trabalha mais pesado.


3)   Controle Emotivo

     O controle da vida emotiva individual

Isto permite manipular os sentimentos da pessoa. Senso de culpa e medo são usados para manter o controle. Os membros da seita não conseguem ver o controle por causa do senso de culpa e, como as vítimas de outros abusos, são condicionados a culpar a si mesmos quando as coisas não andam na maneira certa. As vezes chegam a agradecer o líder quando este remarca as infrações deles.

Existem duas maneiras para usar o medo: o primeiro è inventar um inimigo externo (nós contra eles) que está nos perseguindo;

o segundo é o medo dos castigos impostos pelos líderes para quem não é "suficientemente bom". Ser "suficientemente bom" significa cumprir perfeitamente a ideologia.

O mais potente controle emotivo é o doutrinamento à fobia. Isto pode levar a pessoa a reagir com pavor somente ao pensar em abandonar o grupo. É realmente impossível para um membro imaginar viver fora do grupo. Não existe nenhuma arma real apontada contra a cabeça deles, mas uma arma psicológica não tem um poder menor.


4)   O controle das fontes de informação individual

     O controle das fontes de informação individual

Privando uma pessoa das informações necessárias para alcançar um juízo objetivo, faz com que ela não tenha a capacidade de conseguí-lo. As pessoas são enredadas pelas seitas porque vem-lhes proibindo o acesso às informações críticas que precisam para avaliar corretamente a situação. As correntes psicológicas que amarram as mentes deles são poderosas como verdadeiras correntes que os prendem longe da sociedade. O processo psicológico é tão forte que destrói os mecanismos de funcionamento interiores para elaborar as informações criticas às quais são expostos.

tradução: M. Martinelli          

Fonte: artigo colhido no site "Alarme Scientology".

Voltar